“O Renascimento do Parto” – um aliado para profissionais da área

O DVD “O Renascimento do Parto”
está disponível na Empório Materno
É inegável o poder de transformação de paradigmas que o documentário “O Renascimento do Parto” proporcionou e continua proporcionando desde o seu lançamento em agosto de 2013.
Baseado no livro homônimo do médico francês Michel Odent, precursor do parto natural respeitoso na Europa – e que inclusive é um dos entrevistados no documentário – a obra desvela uma situação assustadora: a realidade da assistência obstétrica no Brasil.
É como tomar a pílula vermelha e sair da Matrix. Muitas famílias se sentem assim, ao se depararem com informações de como o sistema de saúde no Brasil se estruturou ao longo dos anos para que hoje mais da metade dos bebês brasileiros nasçam por meio de cirurgias cesarianas, a maioria delas sem real necessidade.

Um aliado para profissionais da área

Depois de assistir ao documentário, as famílias passam a buscar soluções para “driblar” o sistema e ter direito a um parto respeitoso para as mulheres e um nascimento amoroso, natural e saudável para os bebês. 
Por isso, “O Renascimento do Parto” pode ser considerado um aliado para todos os profissionais da área – doulas, educadoras perinatais, consultoras em amamentação, obstetrizes, parteiras, médicos, pediatras – que atuam pela promoção da saúde e empoderamento da mulher durante o período perinatal . 

Após uma “sessão pipoca” em uma roda de parto ou mesmo em um encontro particular com o casal atendido, por exemplo, o profissional pode iniciar um diálogo mais qualificado com as famílias que, na maioria das vezes, não conhecem esse mundo. Apresentando informações importantes e desvelando a realidade, é possível então conhecer as reais expectativas das famílias e então lhes apresentar os possíveis caminhos a serem percorridos para alcançarem os seus planos!


Confira um trecho do documentário!

E lá vem o segundo…

E o sucesso do primeiro foi e continua sendo tão grande que este ano será lançado “O Renascimento do Parto 2”. Dessa vez o enfoque será a violência sofrida pela mulher e o bebê durante a gestação, parto e pós-parto (também conhecida como violência obstétrica). Há pouco tempo os produtores lançaram um teaser do que está por vir nas redes sociais. 


Teaser de “O Renascimento do Parto 2”, 
ainda sem data de lançamento!

Novidades na Empório Materno!

Fevereiro é o mês de aniversário da Empório Materno! E para comemorar o primeiro ano de vida de nossa loja, preparamos um montão de novidades. Dá só uma olhada nos produtos que escolhemos para encher de carinho as mulheres, gestantes, mães, bebês, crianças e profissionais que cuidam da saúde delas e deles no período perinatal!


NOVIDADE DE NOSSO ATELIÊ – Uniformes para equipes de parto

É crescente o número de profissionais da área da saúde (enfermeiras, obstetrizes, doulas) que se profissionalizam para assistência à mulher em partos domiciliares. Essas profissionais estudam muito, buscam sempre se aperfeiçoar para oferecer um serviço diferenciado, um atendimento seguro e baseado em evidências científicas.

É um trabalho árduo demonstrar com exemplos práticos a responsabilidade que é garantir que a experiência do parto de risco habitual, fisiológico e no domicílio da parturiente seja seguro, tranquilo, ativo, empoderante e cheio de amor!
Foi pensando nessas equipes que a Empório Materno desenvolveu um modelo de uniforme para atendimento a partos domiciliares. Com eles, as equipes podem criar uma identidade, facilitando a identificação com o público atendido, profissionalizando ainda mais o serviço prestado. Feitos com tecido 100% algodão, são leves, confortáveis, práticos e ocupam pouco espaço na bolsa!


Os pedidos podem ser feitos sob encomenda e você ainda pode personalizar bordando o seu nome – ou de sua equipe – no bolso da camisa do uniforme. Fica um charme só! <3 

Observação: por enquanto os uniformes estão à venda somente pelo Facebook. Entre em contato conosco por mensagem para encomendar o seu! 





NOVOS LIVROS EM NOSSA ESTANTE!

O empoderamento para uma gestação e um parto saudáveis, ativos e amorosos começam com boa informação, tanto para a mulher que gesta, quanto para toda a família e os profissionais que a acompanham! Agora na Empório Materno você encontra mais três títulos relacionados ao tema:

Parto com amor (Luciana Benatti e Marcelo Min)

Parto com Amor revela a trajetória percorrida por nove mães – entre elas a autora – para conquistar o parto desejado. Seus medos, fraquezas e dificuldades estão aqui expostos da mesma forma simples e sincera com que suas alegrias e vitórias são compartilhadas. O instante do nascimento, as horas que o antecederam e os primeiros momentos de vida do bebê são eternizados em fotos que transbordam emoção.
Eu não quero (outra) cesárea (Luciana Carvalho)


Eu não quero (outra) cesárea, livro que Luciana Carvalho Fonseca oferece às suas leitoras e aos leitores evoca muita inspiração – e expiração e transpiração. Firme, informativo, questionador, provocativo… e extremamente delicado, mergulha no universo dos partos pós-cesárea quebrando tabus, desfazendo lugares-comuns, desafiando ideias prontas de forte respaldo institucional no Brasil, ao mode de um manifesto bem fundamentado e informado pela liberdade das mulheres sobre sua experiência de dar à luz.

Alelí é uma menina simpática e curiosa, que vai ganhar um irmãozinho. Sua família vai crescer, como muitas outras. Com uma pequena diferença: o bebê vai nascer em casa! Por meio de seu olhar infantil, vivenciamos um parto natural em ambiente familiar.

Escrita e ilustrada pela parteira mexicana Naolí Vinaver, essa história encanta adultos e crianças. Em especial as que, como Alelí, vão ganhar um grande presente da vida: ter um irmão.

NOVAS PARCERIAS 



A família Empório Materno cresceu e agora fechamos parceria com a Slingaê! para a revenda de carregadores de bebês. Também conhecidos como babywearing, são feitos para proporcionar tranquilidade e segurança para bebês, facilitando a criação com apego, a amamentação em livre demanda e o desenvolvimento neurológico e emocional do bebê no chamado 4° trimestre de gestação, que são os três primeiros meses de vida após o nascimento. 

Eles também trazem agilidade para pais e mães que preferem não deixar seus bebês em berços, carrinhos ou similares enquanto executam suas tarefas do dia-a-dia. Existem diversos modelos, como sling, mei tai, wrap sling etc., todos baseados em carregadores de povos ancestrais milenares. Certamente você encontrará um que se adapte à sua realidade, à idade e ao tamanho do seu bebê. 


E mais uma linda parceria que fechamos foi com a Pura Chuva. Já ouviu falar de cosméticos totalmente naturais, feitos com óleos essenciais, sem conservantes, parabenos, corantes e outras substâncias químicas industriais que mal sabemos pronunciar o nome, quem dirá os efeitos que provocam em nosso organismo?

A proposta dos produtos Pura Chuva é proporcionar o cuidado à sua pele e à de seu bebê somente com produtos 100% naturais, feitos à base de óleos vegetais e essenciais, argila entre outros. A linha de produtos inclui sabonetes, óleos para massagens, pomadas, hidratantes e muito mais! Confira já em nossa página clicando aqui.

E para quem quiser presentear uma mãe-amiga muito especial, preparamos mais um novidade em nosso ateliê. Essas caixinhas meigas e delicadas, de mdf, revestidas com tecido. Tudo feito à mão e com muito carinho! <3

Para nós da Empório Materno é um orgulho poder trabalhar com profissionais e marcas tão boas e reconhecidas! 



Importante: os uniformes e a caixinha estão disponíveis somente para encomendas pelo Facebook. Entre em contato conosco por mensagem para efetuar sua encomenda!

E TEM DESCONTO!!

Para poder aproveitar todas essas novidades com desconto de aniversário, basta acessar nossa página oficial no Facebook e se inscrever em nossa lista de e-mails. Nós enviaremos um cupom e você poderá usá-lo ao efetuar suas compras em nossa loja virtual (www.emporiomaterno.com). 


Acesse nossa página no Facebook, clique no ícone de cartinha (logo abaixo da aba “Sobre”, do lado esquerdo – veja abaixo a localização certinha), preencha os dados solicitados e clique em enviar. Pronto! Logo você receberá um e-mail com o código do cupom! 

Gratidão! _/_

Um ano de Empório Materno… E nós só temos a agradecer!

Chegou fevereiro… e com ele o aniversário de um ano da Empório Materno


Fonte: Pixabay

Com uma boa ideia na cabeça e o coração cheio de esperança, em 2015 iniciamos essa jornada em busca de fazer parte do cotidiano daquelas pessoas que, para nós, exercem um dos mais importantes papeis em nossa sociedade: o de cuidar da sáude, bem-estar e florescer feliz e sereno da infância, a base do futuro da humanidade. 


Acreditamos muito na máxima de Michel Odent: “Para mudar o mundo é preciso primeiro mudar a forma de nascer”. Mas essa mudança não acontece do dia para noite e ela virá somente com muito esforço, dedicação e boa vontade. 

A equipe da Empório Materno tem orgulho das escolha que fez e faz a cada dia, buscando melhorar os serviços e a produção dos itens artesanais e personalizados, bem como a relação com nossos fornecedores e clientes, visando oferecer os melhores produtos, todos feitos com muito carinho.

Fonte: Pixabay

O foco da Empório Materno são mulheres, gestantes, mães, bebês, crianças e suas famílias, bem como os profissionais que atuam na assistência à saúde dos indivíduos no período perinatal. Nosso coração transborda de alegria quando nos damos conta de que, fazendo a nossa parte, estamos contribuindo para um mundo onde bebês são recebidos, desde a concepção até o fim da primeira infância, com muito amor, carinho, cuidado e atenção para suas necessidades físicas, emocionais e intelectuais. E que as famílias que realizam essa importante missão também são cada vez mais bem informadas e apoiadas em suas escolhas.


Nós, Érica Lourenço, Maria José Lara Blasques e Raquel Nantes Tavares, sócias da Empório Materno, somos muito gratas por estar ao lado de pessoas assim como você, tão maravilhosas e que realizam suas funções com tanto amor e empenho. 


Estamos juntos nessa, então pode contar conosco!

Nossa sincera e carinhosa gratidão por nos permitir fazer parte de sua história! Estamos sempre trabalhando para que essa confiança depositada em nós seja retribuída com o melhor que podemos oferecer!

E fique de olho em nossas redes sociais, porque preparamos um montão de novidades para esse mês de comemoração!

Um grande abraço e até mais! <3

Picos de desenvolvimento e crescimento do bebê – e como eles alteram o sono e a amamentação!

Fonte da imagem: Google

Pais e mães de primeira viagem podem se beneficiar – e muito – com uma pequena grande informação: os bebês experienciam saltos (ou picos) de desenvolvimento e saltos (ou picos) de crescimento, o que pode ocasionar alguns “efeitos colaterais”, como alteração do padrão de sono e a demanda por carinho e proximidade de seus cuidadores. Isso quer dizer que a frequência da amamentação pode aumentar de uma semana para outra, além de passar madrugadas acordado, por exemplo.

É por isso (e tantos outros ótimos motivos como saúde do binômio mãe-bebê a curto e longo prazo) que os profissionais que atuam na assistência à saúde da mulher no período perinatal e do recém-nascido (que seguem recomendações sérias e se baseiam em evidência científicas idôneas e atualizadas), preconizam a amamentação em livre demanda: estar bem juntinho da mãe, ouvindo seu coração bater, sentindo o calor de seu corpo e acompanhando seu ritmo de respiração, além de receber o leite materno feito sob medida para ele,  são o “remédio” ideal para lidar com esses períodos de saltos de crescimento.

Mas o que é salto de desenvolvimento?

Encontramos um bom resumo no site Guia do Bebê (acesse a matéria aqui). Aí vai o resumo:

“Saltos de desenvolvimento são aquisições de habilidades funcionais específicas que ocorrem em determinados períodos. O ritmo de desenvolvimento não é constante: há alguns períodos de desenvolvimento  acelerado e outros onde há uma desaceleração. 

Toda vez que seu bebê desenvolve uma nova habilidade,  ele fica tão excitado e obcecado com a conquista que a quer praticar o tempo todo, inclusive durante o sono. Em outras palavas, um dos “efeitos colaterais” desse trabalho todo que o cérebro dos bebês está fazendo é que eles não dormem tão bem quanto o fazem em períodos que não estão trabalhando em dominar uma nova habilidade. Eles podem até resistir às rotinas já estabelecidas. 

No período que antecede o chamado salto de desenvolvimento, o bebê repentinamente pode se sentir perdido no mundo, pois seus sistemas perceptivo e cognitivo mudaram, houve uma maturidade neurológica, mas não tempo hábil para adaptação às mudanças. Então o mundo lhe parece estranho, e o resultado da ansiedade gerada é geralmente desejar voltar para sua base, ao que já lhe é conhecido, ou seja, a mamãe! Em vista disso, é comum ficaram mais carentes, precisando de mais colo, e com frequência há também alterações em seu apetite e sono.

Então, nessas fases, é preciso apenas ter um pouco (mais) de paciência e empatia com o bebê – depois do processo de aquisição da nova habilidade (como rir, engatinhar, sentar, interagir, andar) o bebê dá um salto de desenvolvimento e demonstra felicidade com o final da “crise”. Ou seja, por um lado, o bebê fica feliz com a nova habilidade e independência que vem junto, e já é capaz de se afastar um pouco da mamãe. Por outro lado,  sente angústias e receios com essa nova situação. Isso lhe traz sentimentos dúbios: é como uma “dança louca” entre separação e apego, onde o bebê irá flutuar entre os dois por um período”.

E os picos de crescimento?

Esse são os picos relacionados ao ganho de massa corpórea do bebê (que envolve músculos e ossos). Nesse período a demanda por leite também cresce, pois o bebê passa a precisar de mais energia. “Então o bebê que dormia longos períodos à noite pode começar a acordar mais e solicitar mais mamadas. Esta necessidade geralmente dura de poucos dias a uma semana, seguido de um retorno ao padrão menor de mamadas, mas agora com o organismo da mãe adaptado a produzir mais leite. É muito importante respeitar a demanda aumentada de mamadas, pois somente com a livre demanda é que a produção de leite materno se ajusta perfeitamente às necessidades do bebê.”

É sempre importante frisar que o leite materno é produzido sob demanda. Ou seja, conforme o bebê mama o organismo da mãe vai se adaptando e produzindo mais – ou menos – conforme a necessidade do bebê. Mamas não são depósitos, mas sim fábricas de leite!

Ou seja…

… independente do pico de desenvolvimento ou de crescimento que o bebê esteja vivenciando, tudo o que ele precisa é de pais ou cuidadores pacientes, amorosos e conscientes das mudanças que ele está experimentando. Oferecer o colo, o peito para mamar e muito carinho… porque crescer dá trabalho! <3


Fonte da imagem: Blog da Grávida

Licenças maternidade e paternidade: a infância é prioridade?

Desde 2008, vigora no Brasil a Lei 11.770, que instituiu o Programa Empresa Cidadã. As empresas que aderirem ao Programa recebem um incentivo fiscal para prorrogar por 60 dias a licença-maternidade de suas funcionárias, totalizando, portanto, 180 dias de licença remunerada já que a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) prevê 120 dias (confira aqui).

A adesão ao programa é voluntária. Por isso, infelizmente, algumas mães ainda ficam apenas quatro meses de licença, o que contraria recomendações da Organização Mundial da Saúde, UNICEF e do Ministério da Saúde a respeito do aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida do bebê (e prolongado até dois anos de idade).

A situação da licença-paternidade, infelizmente, é ainda pior.O artigo 10° do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT), refere que “Até que a lei venha a disciplinar o disposto do art. 7°, XIX, da Constituição, o prazo da licença-paternidade a que se refere o inciso é de cinco dias”. Sim, míseros cinco dias… salvo alguns casos extremos (como morte da mãe, por exemplo) em que a licença-paternidade pode ser ampliada.

Tanto a licença-maternidade, quanto a licença-paternidade são concedidas, também, aos pais que adotam uma criança.

Fora do Brasil

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) recomenda conceder ao menos 14 semanas de licença remunerada à mãe. Porém, apenas 34 países (entre eles o Brasil) seguem tal recomendação. Cerca de 30 milhões de mulheres no mundo inteiro ainda carecem de direitos nesse período. Quase 80% delas estão na África e na Ásia, segundo a OIT (Fonte: BBC Brasil)



Já a licença-paternidade é garantida em poucos países. Em alguns deles é possível alternar o período entre a mãe e o pai, somando, ás vezes um ano de licença no total. O Instituto Papai (ONG que encabeça a campanha Dá licença, sou pai!) divulga os seguintes dados a esse respeito (dados de 2013 divulgado em matéria da EBC):



Analisando os dados

Esses dados dizem muito sobre nós como sociedade, por exemplo:

– A infância (como em tantas outras situações) não é nossa prioridade. Aliás, tente se lembrar de algum lugar/situação/meio social em que o cuidado da criança é uma prioridade… certamente vai lembrar de poucos;

– Ainda enxergamos a mulher como cuidadora e o homem como provedor;
– Somo imediatistas e não enxergamos que ao cuidar da infância estamos cuidando de nosso futuro como humanidade.

O que estamos ganhando ao manter as licenças materna e paterna dessa maneira? E o que estamos perdendo?

Dia da Doula em São Paulo!

Hoje, dia 18 de dezembro, é comemorado o Dia Estadual da Doula em São Paulo!

Uma profissão ainda pouco reconhecida mas para aquelas mulheres e famílias que tiveram a oportunidade de contar com uma doula durante a gestação, trabalho de parto e pós-parto, sabem bem a importância da presença dessa profissional em suas vidas.

Crédito: Laine Sierra

Mais do que provedoras de informações para o empoderamento, as doulas são um oásis de carinho e empatia, uma ponte que permite à mulher se reencontrar com o que é seu de mais sagrado: a sua feminilidade mamífera e a consciência de sua potência criadora não só de bebês mas de um novo paradigma da relação entre mulheres, homens e o meio que nos cerca.


Doulas não “fazem” parto, doulas fazem parte! E compartilham empatia, agregam com amorosidade, são firmes no propósito de disseminar uma sabedoria anscestral e permanente: mulheres sabem parir, bebês sabem nascer!


Um VIVA a todas as doulas!!

A equipe da Empório Materno deseja que todas tenham muita saúde física e emocional para continuar trilhando esse árduo e belo caminho. Que seus esforços sejam reconhecidos tanto no plano material, quanto no sutil.

E também desejamos que num futuro próximo toda mulher que gesta uma vida tenha a oportunidade de ser acompanhada por uma doula!

Com toda nossa admiração, parabéns e gratidão por aceitarem essa missão tão urgente e admirável!

Doulas de São Paulo em Ação – PL 250/2013

Quer o logo da campanha no seu perfil do Face?
 Acesse fanpage da campanha!
Você sabia que em São Paulo existe um Projeto de Lei (PL 250/2013), que garante à toda mulher residente no estado ter sua doula de livre escolha em qualquer hospital, seja público ou privado?

O projeto precisa entrar em votação e para que isso aconteça o mais rápido possível, as doulas paulistas estão unidas na campanha #aprovaALESP, realizando corpo a corpo com os deputados da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP), entregando material que explica a importância da atuação da doula no pré-parto e durante o parto e pedindo apoio na votação do projeto. 

Para engrossar esse coro, mulheres que foram acompanhadas por doulas estão participando da campanha #doulaquetequero , gravando vídeos curtos para explicar porque esse acompanhamento foi tão importante para elas.

  • Quer participar? 


Você que é doula e atua no Estado de São Paulo:

Pode ler e conhecer o Projeto de Lei 250/2013 aqui: http://www.al.sp.gov.br/propositura/?id=1129265

Pode curtir e acompanhar a fanpage PL 250/2013 VOTA Aprova para saber os próximos passos da campanha, ajudar com impressão de materiais e comparecendo as ações na ALESP.

Na fanpage você também pode baixar imagens para perfil e capa do facebook com o logo da campanha!

  • Você é mãe e já foi acompanhada por uma doula?


Então faça um vídeo curto explicando porque esse acompanhamento foi importante e mande para o e-mail  pl250.2013@gmail.com até 18/12/2015

Confira alguns vídeos que já foram enviados: https://www.facebook.com/pl2502013/videos
Juntas somos mais fortes!

Entenda o que é violência obstétrica e como denunciar

Ficar restrita ao leito e ocitocina sintética (“sorinho”)
aplicado rotineiramente são dois exemplos de VO.
Fonte da imagem: acritica.uol.com.br
Você sabia que nessa semana, no dia 25 de novembro, celebra-se o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher, instituído em 1999 pela Organização das Nações Unidas (ONU)? 

E que entre tantas formas de abuso e violência contra a mulher existe a violência obstétrica (VO)?

Mas o que é Violência Obstétrica?

“A violência obstétrica é o desrespeito à mulher, seu corpo e seus processos reprodutivos. Isso acontece através de tratamento desumano, transformação de processos naturais do parto em doença ou abuso da medicalização, negando às mulheres a possibilidade de decidir sobre seus corpos.”
Há inúmero exemplos de VO: ameaças em caso de recusa de procedimento, realização de procedimentos invasivos (episiotomia – o “piquezinho” e aplicação de ocitocina sintética – o “sorinho”) sem explicar para que servem e pedir o consentimento da mulher, direito ao acompanhante negato etc. 
Episiotomia (“corte” ou “piquezinho”) de rotina também é VO.
Fonte da imagem: Projeto 1:4

Se não todos, mas a maioria deles derivam da falta do senso de que a mulher gestante, em trabalho de parto ou em situação de abortamento tem o direito e autonomia sobre o próprio corpo e que antes de qualquer procedimento ou intervenção ela deve ser informada com clareza e com educação (de preferência) sobre os riscos de aceitar ou recusar tais procedimentos, além das demais alternativas viáveis no momento. É dever do profissional de saúde dar essas informações e PEDIR o consentimento para quaisquer procedimentos. É direito da mulher (e de qualquer paciente, diga-se de passagem), aceitar ou recusar tais procedimentos.

Cartilha ensina a identificar e denunciar Violência Obstétrica

Capa da cartilha produzida pela
Defensoria Pública do Estado de São Paulo
Esse é um assunto delicado e sua erradicação depende de muitas fatores: atualização e humanização dos cursos de formação de profissionais da saúde que prestam assistência à mulher no período perinatal (gestação, parto e pós-parto), qualificação e reciclagem de equipes já atuantes com base em evidências científicas atualizadas, educação sexual nas escolas, pré-natal qualificado e empoderamento feminino.

Para contribuir nesse processo e auxiliar mulheres que já sofreram violência obstétrica, a Defensoria Pública do Estado de São Paulo disponibiliza uma cartilha digital – Conversando sobre Violência Obstétrica – que explica de forma simples e direta o que é VO, como identificar se a pessoa viveu ou está vivenciando essa situação e, o mais importante, como denunciar e lidar com tudo isso.

Você pode ter acesso à versão PDF da cartilha clicando aqui ou nos outros links espalhados nesse texto!


Denuncie!

Para denunciar casos de violência obstétrica há diversos canais disponíveis:

  • Procure o conselho de classe (CRM, COREN) da sua região e denuncie o profissional que lhe atendeu de forma violenta.
  • Faça uma denúncia formal da Ouvidoria do serviço de saúde onde foi atendida e também na Secretaria de Saúde de seu município.
  • Outros meios:

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO 
Capital: 0800-773-4340 

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL 
Ouvidoria Geral do SUS: www.saude.gov.br
Ligue 

Central de Atendimento à Mulher: 180
Disque Saúde: 136 











Aromaterapia: você sabe o que é e como fazer?

Os óleos essenciais são coringas
n
a bolsa de doulas e outros profissionais de parto!

Os óleos essenciais podem ser seus aliados no trabalho de cuidar e contribuir para o reestabelecimento da saúde física e emocional de suas pacientes e clientes. 


Especialmente durante a gestação e o trabalho de parto, alguns óleos essenciais podem ser usados para acalmar e aquietar a mente ansiosa da gestante, dar ânimo e relaxar.

O óleo essencial de lavanda é um coringa na bolsa de doulas e profissionais do parto. Ele acalma, contribuí para o equilíbrio entre a razão e a emoção, transformando emoções negativas em positivas. Auxilia, também, no processo de dar esse profundo salto no escuro que é a maternidade. E por agir no alívio de dores musculares pode ser diluído em algum óleo vegetal para massagens.

Os óleos cítricos, como o de bergamota, despertam a alegria, desenvolvem a confiança e o foco.

O óleo de tea tree (ou melaleuca) limpa a mente de pensamentos perturbadores, além de ser um poderoso fungicida e bactericida, por isso é usado na gestação (ou mesmo não estando grávida) para combater a candidíase, além de ajudar na higienização das fraldas de pano modernas.

Aromaterapia – Menos é Mais! 

É possível usar aromatizadores à vela,
como esse da foto, ou…

Os óleos essenciais são produzidos a partir de princípios ativos de plantas e flores, em processos complexos de extração (confira aqui detalhes desses processos). Um bom exemplo da quantidade necessária da planta para a extração dos óleos é o óleo essencial de rosas: para extrair 3kg são necessárias TRÊS tonelada de pétalas… isso mesmo, 3.000 kg! Veja aqui mais alguns exemplos.

Por isso, é importante usa-los com cuidado, sempre seguindo a premissa de que menos é mais. 


A aromaterapia, ou seja, o uso terapêutico de óleos essenciais, ao contrário do que possa parecer, não se baseia no aroma da planta, mas sim nas propriedades desses diferentes princípios ativos. 

… um colar aromatizador pessoal de cerâmica
ou, ainda, um aromatizador elétrico!

Uma gota de óleo essencial de boa qualidade, portanto, concentra muitos princípios ativos. Então não se preocupe se, ao aquecer o óleo em seu aromatizador durante o atendimento em um trabalho de parto, não estiver sentindo muito o cheiro do que pingou. A ideia é que o aroma seja suave. Até porque, se houver óleo essencial em excesso, pode causar dores de cabeça ou vermelhidão e coceira na pele (em caso de banho ou massagem) ou outros efeitos colaterais.

Então, antes de usar, busque informação em fontes confiáveis! 


E ATENÇÃO: Se você tiver interesse em participar de workshops de aromaterapia, procure-nos pelo e-mail sacemporiomaterno@gmail.com

Muita sabedoria e luz no seu caminho!